{country_name} ↓ TRANS_MENU
Escolher a sua localização:
A minha capaA minha capaA minha capa

O que está acontecendo agora?

Entrar Entrar com Facebook
Nome de usuário ou senha incorreta!

Money Multinacionais faturam mais em paraísos fiscais do que na China

Folha de São Paulo
03/05
40 Pontos
1

Temer reclama, mas deve manter 'pacote de bondades' de Dilma

Segundo assessores, Temer não gostou de vazamentos sobre eventuais medidas econômicas do futuro governo. E que, no próximo ano, o PIB (Produto Interno Bruto) pode crescer cerca de 1%, acima da previsão de mercado, de 0,3%.No Banco Central, Temer e Meirelles acertaram que a mudança da atual diretoria será gradual, para evitar turbulências no mercado.
Folha de São Paulo
03/05
24 Pontos

Interesses e democracia no impeachment

Somado à conta de juros, de 6,07% do PIB, chegou-se a um déficit nominal de 6,7% do PIB, o maior desde 2007. O déficit primário do último ano foi de 1,88% do PIB, ou seja, mais de três vezes maior que o de 2014. O horizonte de desejo neoliberal precisa livrar-se do governo Dilma, de Lula e do PT. O nome cotado para assumir a Fazenda é outra evidência do caráter neoliberal do projeto que pretende governar o Palácio do Planalto e a Esplanada dos Ministérios: Henrique Meirelles.
Jornal do Brasil
03/05
32 Pontos
1

Money 'WSJ': Método de cálculo do PIB levanta dúvida sobre crescimento da Índia

Matéria publicada nesta segunda-feira (2) no The Wall Street Journal, analisa que a economia da Índia se expandiu 7,3% no ano passado, superando a de todos os outros grandes países, inclusive a China, pela primeira vez em quase 20 anos. Mas, como é o caso da maioria dos países em desenvolvimento, onde as estatísticas oficiais podem ser perigosas mesmo quando não estão mostrando o melhor crescimento do mundo, a economia indiana não é fácil de ser calculada.
Jornal do Brasil
03/05
23 Pontos

Money Brasil patina porque gasta muito e mal, indica estudo

"Falta utilizá-los para fazer avaliações muito mais frequentes."Esse é o caminho, diz, para aumentar a eficiência do gasto público no país.A partir das avaliações, seria possível decidir que políticas precisam ser focalizadas em grupos sociais mais vulneráveis, assim como áreas em que o setor privado pode atuar de forma mais eficiente do que o governo.
Folha de São Paulo
30/04
26 Pontos

Money Cortes de gastos estão chegando ao limite no Brasil, diz Fazenda

já é um avanço.Se estivesse vigorando desde 2011, e se todos os cortes de gastos autorizados fossem acionados, as despesas do governo poderiam estar hoje quase dois pontos percentuais abaixo do nível atual.Poderiam estar em 17,9% do PIB e não nos 19,6% do PIB. Avaliações técnicas feitas pelo Ministério da Fazenda indicam que as tentativas de reduzir o rombo nas contas públicas do Brasil . desativando até a regra de reajuste automático do salário mínimo.
Folha de São Paulo
30/04
30 Pontos

Money Investimento em bens de capital segue em trajetória de queda, mostra Ipea

“O que a gente pode concluir por meio desse número (previsão de queda de 7,8% da FBCF) é que o cenário recessivo ainda não se esgotou, que a redução do PIB não parou”, analisou o economista.Os dados sobre a FBCF fazem parte da Carta de Conjuntura do Ipea. A taxa de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que mede o quanto as empresas investiram em bens de capital, caiu 14,1% em 2015, levando os investimentos líquidos no país a sofrer uma perda de 40%.
Jornal do Brasil
30/04
20 Pontos

Money Crise em Estados é a 'mais urgente' no momento, diz secretário da Fazenda

A crise nas contas dos governos regionais é a mais importante e urgente neste momento, afirmou nesta sexta-feira (29) o secretário de política econômica do Ministério da Fazenda, Manoel Pires.Ele se refere aos impactos dessa crise sobre as contas do governo federal.Onze Estados conquistaram liminares no STF (Supremo Tribunal Federal) que reduzem suas dívidas com o governo federal, o que daria alívio aos caixas estaduais. Ou seja, o quadro fiscal seria um pouco melhor.
Folha de São Paulo
30/04
3 Pontos

Money Setor público registra deficit de R$ 10,6 bilhões em março

Nos últimos 12 meses, o setor público registra deficit de R$ 136 bilhões (2,28% do PIB).O BC informou ainda que a dívida bruta fechou o mês em 67,3% do PIB, abaixo dos 67,6% do mês anterior, mas acima dos 66,5% de dezembro de 2015.
Folha de São Paulo
29/04
11 Pontos

Money Contas públicas têm déficit de R$ 10,6 bi, o pior resultado para março

Em fevereiro deste ano, houve déficit primário de R$ 23,040 bilhões.Em 12 meses encerrados em março, o déficit primário ficou em R$ 136,022 bilhões, o que corresponde a 2,28% do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país.Em março deste ano, o Governo Central (Previdência, Banco Central e Tesouro Nacional) acusou déficit primário de R$ 8,944 bilhões.
Jornal do Brasil
29/04
10 Pontos

Contas públicas têm déficit de R$ 10,6 bi, o pior resultado para março

Em fevereiro deste ano, houve déficit primário de R$ 23,040 bilhões.Em 12 meses encerrados em março, o déficit primário ficou em R$ 136,022 bilhões, o que corresponde a 2,28% do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país.Em março deste ano, o Governo Central (Previdência, Banco Central e Tesouro Nacional) acusou déficit primário de R$ 8,944 bilhões.
O Tempo
29/04
2 Pontos

Money Carga tributária do Brasil sobe para 32,71% do PIB em 2015

Nos municípios, o reajuste de taxas puxou o aumento da carga tributária. A carga tributária bruta encerrou o ano passado em 32,71% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país). O Tesouro Nacional, no entanto, apresenta uma estimativa no fim de abril para orientar a execução do orçamento federal.Pelos números do Tesouro, a carga tributária bruta aumentou 0,28 ponto percentual em 2015 na comparação com os 32,43% do PIB registrados no fim de 2014.
Jornal do Brasil
28/04
16 Pontos
1

Money Economia dos EUA cresce 0,5% no 1º trimestre, ritmo mais lento em 2 anos

Se as taxas subirem de novo, o que é esperado na medida em que a economia desatrofia, eles voltam a direcionar seus recursos aos EUA.Mas um PIB fraco não é motivo de festa para o Brasil, segundo Camargo. "Salvo um milagre, parece que o crescimento do PIB caminha para outro ganho inexpressivo de cerca de 2% em 2016", afirmou Paul Ashworth, economista-chefe da consultoria Capital Economics, ao jornal americano. Bens duráveis, como novos carros e TVs, caíram 1,6%.
Folha de São Paulo
28/04
4 Pontos

Gesso trabalhista

Dados do economista David Beker, publicados pelo jornal "Valor Econômico", indicam que a manutenção do status quo ampliará o buraco no sistema previdenciário de 1,5% do PIB, em 2015, para 13% do PIB em 2060 . o custo total nesse período chegaria a 23% do PIB.Em vez de lutar contra essa realidade, os sindicatos deveriam pugnar por regras de transição que equilibrem direitos adquiridos com direitos das novas gerações.
Folha de São Paulo
28/04
2 Pontos
Anúncio
Anúncio
Anúncio